Jornal Conexão

Atlético dá vexame no Mineirão e está eliminado da Libertadores

Compartilhe
Vexame alvinegro! O Atlético está eliminado da Copa Libertadores. Com mais uma exibição pobre no Mineirão, o Galo perdeu para o Nacional-URU por 1 a 0 e não tem mais chances de classificação na competição continental, a uma rodada do final da fase de grupos. O gol da derrota aconteceu aos 41 minutos da etapa final. Carballo recebeu e encobriu Victor, marcando um golaço no Gigante da Pampulha.
O time atleticano pouco criou na noite desta terça-feira no Mineirão. A equipe sofreu contra a forte marcação dos uruguaios e teve poucas chances de gol. Adilson e Ricardo Oliveira pararam em grandes defesas do goleiro Luis Mejía. Na etapa final, sobrou transpiração e faltou inspiração. Para piorar a situação, um gol uruguaio no fim, de cobertura, sepultou as chances do Galo na competição continental.
O foco do Atlético agora vai para o Campeonato Brasileiro. No sábado, às 19h, no Independência, o time recebe o Avaí pela rodada de abertura da competição. Pela Libertadores, o Galo volta a campo no dia 7 de maio, às 19h15, contra o Zamora, na Venezuela. No mesmo dia e horário, o Nacional recebe o Cerro Porteño em casa e só precisa de um empate para avançar às oitavas de final.
O jogo
O técnico Rodrigo Santana teve três desfalques para a partida desta noite: Réver, Igor Rabello e Cazares. Na zaga, optou pela dupla Leonardo Silva e Iago Maidana. No ataque, o técnico colocou Maicon Bolt, que começou pelo lado esquerdo e terminou a etapa inicial pela direita. Ao lado de Elias, Luan, mais uma vez, jogou centralizado, como armador da equipe.
E a equipe alvinegra sentiu a falta de um homem de criação no primeiro tempo. O Galo apostou muito na ligação direta para os pontas Chará e Maicon Bolt. Atenta, a defesa uruguaia não teve muitos sustos neste tipo de jogada. Desde o início da partida, o Atlético usou a marcação alta para dificultar o jogo do Nacional. E deu certo. A equipe visitante pouco teve a bola.
O Atlético não conseguiu transformar a superioridade em gols no primeiro tempo. A equipe alvinegra teve duas chances claras na etapa inicial, mas parou em grandes defesas de Luis Mejía. Na primeira, após cruzamento de Guga, Adilson cabeceou no ângulo e o goleiro voou para defender. Na segunda, Ricardo Oliveira aproveitou erro do defensor adversário e roubou a bola. O centroavante acionou Elias, que avançou em velocidade e rolou para o meio da área. Livre, o camisa 9 chutou e o arqueiro fez outro milagre à queima-roupa.
Após uma boa primeira metade na etapa inicial, o Atlético diminuiu o ritmo. A equipe atleticana encontrou muitas dificuldades para ultrapassar a forte marcação dos uruguaios e não criou mais chances de gol.
O segundo tempo voltou com o mesmo roteiro do primeiro. O Atlético, com a posse da bola, tentando atacar pelas pontas; o Nacional, com os 11 jogadores em seu campo de defesa, esperando uma chance para o contra-ataque. E a primeira boa chance foi dos uruguaios, com Rodríguez, que obrigou Victor a fazer grande defesa.
Maicon Bolt, que não teve boa exibição, deixou o campo para a entrada de Vinicius. Com isso, Luan passou a jogar pela direita. A impaciência do torcedor foi aumentando a cada erro de passe, bola recuada para a defesa ou jogadas improdutivas no ataque. Quando conseguiu levar vantagem, Chará rolou para Fábio Santos. O lateral, cara a cara com o goleiro adversário, finalizou fraco.
Rodrigo Santana tentou dar mais força ofensiva ao Atlético com a entrada de Terans no lugar do volante Adilson. Em resposta, o Nacional ficou mais defensivo com a saída do centroavante Bergessio. E os uruguaios aproveitaram da bagunça defensiva alvinegra no fim do jogo para marcar aos 41′. De cobertura, Carballo venceu Victor e sacramentou a eliminação dos donos da casa: 1 a 0.
Fonte: superesportes.com.br
%d blogueiros gostam disto: